Segunda-feira 05 de Dezembro de 2022

Iúri Leitão conquistou título europeu de scratch com corrida à campeão, no ciclismo

Ciclismo-EuropeuPista-13-08-2022Iúri Leitão conquistou, este sábado, o título europeu de scratch, na corrida de encerramento do programa deste sábado do Campeonato da Europa de Pista, que decorre em Munique, Alemanha.

O corredor português teve um desempenho exemplar, sabendo interpretar o pulsar da corrida para atacar nos momentos certos, de forma a chegar à medalha de ouro. O scratch é uma corrida sem pontos nem sprints intermédios, vence o primeiro a cortar a meta na última volta ou aquele que consiga dobrar o pelotão mais vezes.

A corrida deste sábado teve 75 voltas (15 quilómetros) e iniciou-se em ritmo vivo, mas sem qualquer ataque. A 60 voltas do fim deu-se uma cisão, ficando o pelotão partido em dois, com o representante de Portugal na parte de trás. Esta movimentação haveria de ser anulada dez voltas mais adiante. Nesse momento, quando parte do pelotão acusava algum desgaste devido àquele ataque infrutífero, Iúri Leitão mexeu na corrida.

O vianense saiu do pelotão a 49 voltas do final, conseguindo dobrar o grupo cinco voltas depois, colocando-se de imediato em vantagem. Como era o único corredor com mais uma volta, era o virtual vencedor, o que confirmou na fase final da prova.

“Trabalhámos muito para estarmos ao mesmo nível das outras seleções. Estávamos cientes de que poderíamos conquistar o título, mas chegar à final e levar a medalha desta forma é um sentimento muito forte, uma felicidade imensa. Tentei resguardar-me na fase inicial da corrida. Reparei que os principais favoritos estavam a marcar-se de forma bastante cerrada. A perseguição ao grupo que saiu foi feroz e, nessa altura, tentei resguardar-me. Passei um pouco despercebido e logo de seguida ataquei. Apercebi-me da hesitação dos principais candidatos, até porque vinham um pouco mais desgastados. Foi a altura certa para atacar”, referiu Iúri Leitão.

A prestação do português foi tão superior à concorrência que Iúri Leitão foi o único ciclista a dobrar o pelotão, ainda por cima em dose dupla. Nas restantes posições do pódio colocaram-se o alemão Moritz Malcharek e o neerlandês Roy Eefting.

A alegria proporcionada pelo triunfo de Iúri Leitão compensou, de certa forma, a desilusão pelo afastamento injusto de Daniela Campos da prova de eliminação. Um erro dos comissários fez de Daniela Campos a segunda a ser eliminada – na verdade, foi a representante espanhola a passar em último nessa volta de eliminação.

Numa prova marcada por duas quedas, uma das quais com alguma gravidade, a medalha de ouro sorriu à belga Lotte Kopecky, seguida pela britânica Pfeiffer Georgi e pela Neerlandesa Mylene de Zoete.

Daniel Dias estreou-se em Campeonatos da Europa de elite com o 14º lugar na perseguição individual. O corredor português cumpriu o contrarrelógio de 4 quilómetros em 4’22”428, dentro do objetivo traçado pelo selecionador nacional: fazer menos de 4m25s. “Não me senti totalmente confortável, ainda podia ter feito melhor dois segundos”, considera Daniel Dias. ”Há detalhes a melhorar, mas esteve muito bem para a estreia nesta disciplina em Campeonatos da Europa de Elite”, assegurou o seleccionador Gabriel Mendes.

Daniela Campos e Daniel Dias voltam a subir à pista neste domingo. A corredora participará na corrida por pontos feminina, às 18h10, enquanto o ciclista irá competir na eliminação masculina, às 19h05.

Ciclismo-MundialParaciclismo-13-08-2022Luís Costa sétimo na prova de fundo do mundial de paraciclismo

Este sábado foi dia de se disputarem as provas de fundo do Campeonato do Mundo de Paraciclismo, em Baie-Comeau, na região do Quebec, no Canadá, onde Luís Costa (H5) terminou na sétima posição e Flávio Pacheco (H4) fechou no 12º lugar, na classe de Handbike.

Luís Costa arrancou muito bem para esta prova de fundo, conseguindo manter-se no grupo da frente durante as primeiras voltas. O neerlandês Mitch Valize, que já tinha brilhado na prova de contrarrelógio desta competição, atacou ainda durante a primeira metade dos 66,2 quilómetros que compunham o percurso, levando consigo o francês Loic Vergnaud. Luís Costa ficou no grupo que seguia logo atrás, juntamente com mais quatro corredores.

 

O português tentou por várias vezes surpreender e escapar ao grupo onde seguia, mas sabendo que tinha conquistado a medalha de bronze no contrarrelógio, os adversários não arriscaram em dar-lhe vantagem. A vitória, por larga margem, ficou para Mitch Valize, que pouco depois de ter atacado, deixaria para trás Loic Vergnaud. O francês terminou na segunda posição, com o terceiro lugar a ser discutido ao sprint no grupo de Luís Costa, que terminaria com a sétima posição, depois do neerlandês Tim De Vries lançar o sprint ainda de longe.

Flávio Pacheco enfrentou uma corrida difícil na classe H4, tendo terminado na 12ª posição. O atleta português completou a sua prova em 2h03m45s, mais 17m16s do que o vencedor, o neerlandês Jetze Plat, que se tinha sagrado campeão do mundo de contrarrelógio na passada quinta-feira.

Este domingo, no último dia deste Campeonato do Mundo de Paraciclismo, teremos Bernardo Vieira e Telmo Pinão a representar a seleção nacional. Os dois paraciclistas vão disputar as respetivas provas de fundo da classe C (bicicleta).

 

© 2022 Jogada do Mes. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.