Sábado 19 de Outubro de 2019

“Ciclo Olímpico e Paralímpico correram muito bem…”

26jul_fpjudo_1219Ao terminar o mandato, o Presidente da Federação Portuguesa de Judo – Eng.º José Manuel A. Costa e Oliveira fez o balanço do Ciclo Olímpico e Paralímpico – Rio 2016.

Decorre este sábado no Auditório do Comité Olímpico de Portugal, em Lisboa, a Eleição dos Membros dos Órgãos Sociais da Federação Portuguesa Judo para o Quadriénio 2017/2020, o actual Presidente da Federação Portuguesa de Judo fez o balanço deste mandato.

Para o Presidente da Federação Portuguesa de Judo – FPJ, “o ciclo Olímpico e Paralímpico correram muito bem na Federação Portuguesa de Judo … Rio 2016. Durante um ciclo Olímpico nunca tínhamos tido tantas medalhas, que claro, são um dado importante. “ , acrescentando que “É o resultado do trabalho realizado, a nível de Cadetes, Juniores e Seniores, culminando na Medalha de Bronze da Telma Monteiro nos Jogos Olímpicos e das classificações da Joana Ramos, do Sergiu Oleinic e do Jorge Fonseca”

Naquilo que é o futuro da modalidade, o Eng.º Costa e Oliveira releva que o destaque vai para “ os Cadetes e Juniores. Nos Cadetes, alcançámos recentemente uma Medalha Europeia, pela Patrícia Sampaio, para somar às que tínhamos conquistado pela Joana Cesário (Prata e Bronze) em 2003 e pelo Nuno Saraiva (Bronze) em 2010. Nos Juniores, conseguíamos medalhas, em média, de 10 em 10 anos e neste ciclo subimos ao pódio todos os anos. Falo de Medalhas Mundiais e Europeias de Atletas de grande qualidade como o Nuno Saraiva, Mariana Esteves e outros que tiveram num grande nível.”.

O Projeto Olímpico, nunca teve tantos judocas a participar nos Jogos Olimpicos, como tivemos agora com a Joana Ramos, a Telma Monteiro, o Sergiu Oleinic, o Nuno Saraiva, o Célio Dias e o Jorge Fonseca, mas foi pena não termos tido mais, uma vez tivemos vários atletas que ficaram “à porta” da qualificação. Estou a lembrar-me da Ana Cachola, do Carlos Luz, do Nuno Carvalho, do Diogo Lima, o André Alves e a Yahima Ramirez, que ficaram muito perto de irem ao Rio de Janeiro. Ainda assim, os 6 que mencionei e foram aos Jogos, tiveram uma prestação fantástica e permite-me dizer que o balanço é altamente positivo.”

Um dos polos que tem tido uma grande movimentação durante este ciclo foi o Judo Paralímpico. Neste caso a opinião do Presidente da FPJ é que o balanço é excelente, porque “Nunca Portugal tinha tido um judoca nos Jogos desta vertente e teve agora o Miguel Vieira, que começou por ser esperança paralímpica e chegou aos Jogos Paralímpicos. O Miguel conseguiu um 9º lugar, tínhamos as expectativas ligeiramente mais elevadas, mas penso que ainda assim foi bom, porque sobretudo foi o abrir de uma porta, ao ponto de, agora, já termos mais atletas como o Djibrilo Iafá que são esperanças paralímpicas. Tendo em conta o trabalho que temos desenvolvido nesta área, não será exagero acreditar que, depois de este ano termos tido o primeiro Judoca Paralímpico, podemos ter 3 atletas em Tóquio, o que é um crescimento notável.”

26jul_fpjudo_1223_newsDepois também nas áreas do Judo Adaptado e o Surdolímpico, o Presidente da FPJ afirmou  “… verificamos um crescimento. Já tínhamos a Joana Santos do Algarve a obter grandes resultados, voltou recentemente a medalhar no Campeonato do Mundo e agora surge João Machado, uma nova esperança Surdolímpica. Na vertente adaptada, para atletas com deficiências intelectuais, também demos passos importantes ao participar em Campeonatos da Europa e a conquistar medalhas”.

Para o Eng.º Costa e Oliveira, “É evidente que a Federação Portuguesa de Judo cresceu bastante nestas áreas, o que me deixa particularmente satisfeito por tudo o que foi feito”.

Como em tudo, todos os projectos não se completam no feito, muito se pensava fazer em quatro anos, mas mesmo “com as dificuldades financeiras que não permitiram fazer tanta coisa como gostaríamos e tínhamos planeado… ma área da formação, avançámos com o programa “Judo at School” onde vamos formar 200 jovens de 10 escolas, mais de 200 professores de educação física na área do judo e iniciar um projeto de formação com a Federação Internacional de Judo no início de janeiro. Apesar do muito que se fez nesta área penso que há muito para se fazer ainda.” disse o Presidente da FPJ.

Em resumo não houve recursos financeiros para avançar com atividades que promovessem o crescimento, o desenvolvimento da modalidade no interior do país e em cidades como Bragança, Vila Real, Guarda, Viseu, Castelo Branco, Portalegre, Évora e Beja. “Há muito para se fazer nesta área que denomino de interior” .

A terminar o Presidente Eng.º Costa e Oliveira disse “Precisamos que o Judo seja mais reconhecido, encha pavilhões, tenha grande aceitação do público e atraia patrocinadores. É um caminho que temos que fazer com recursos humanos, técnicos e financeiros. Gostava de ter avançado mais neste caminho, mas estou satisfeito com tudo o que alcançámos. “

© 2019 Jogada do Mes. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.