Segunda-feira 01 de Outubro de 2700

Portugal entrou na Liga das Nações a golear a Croácia

A Selecção Nacional de Futebol entrou da melhor maneira da Liga das Nações, ao vencer nada mais, nada menos do que a Croácia, vice-campeã mundial em título.

O 4-1 acabou por ser um resultado justo, porquanto Portugal entrou melhor, andou algo “perdido” até aos 40’, mas depois de chegar ao 1-0 foi sempre a dominar, com a segunda parte a ser mais repartida, ainda com ascendência lusa.

Bruno Fernandes (9’) atirou de pronto mas a bola foi à figura do guarda-redes, numa altura em que era difícil de entrar nas linhas atrasadas da formação croata, porquanto coesa e fechada.

No entanto, a pressão portuguesa foi sendo acrescendo e (19’) Cancelo, rematou ao estilo de “trivela”, obrigando o guarda-redes a uma boa estirada e evitar o golo para, quatro depois, João Félix ter tido oportunidade de rematar mas com a bola a bater no poste.

Noutra oportunidade (25’), Pepe chegou lá ao alto e cabeceou para obrigar o guardião criada a defender para canto, do qual nada resultou, surgindo outro momento de perigo dois minutos depois, quando Jota cabeceia e fez levar a bola a raspar o poste mais longe.

Mantendo a toada ofensiva, Raphael Guerreiro, na sequência de uma boa jogada, rematou (34’) mas o poste impediu que a bola entrasse.

Na passagem do 41º minuto, Cancelo, que já tinha criado perigo (19’), voltou a estar muito bem ao fazer um centro-remate para a baliza, ao ângulo superior da baliza, com o guarda-redes a tentar defender mas apenas tocando levemente na bola, pelo que entrou na baliza, concretizando a superioridade portuguesa e abriu o activo.

A um minuto dos 45, a Croácia subiu mais um pouco, levou perigo à baliza mas a bola passou ao lado, com Anthony Lopes (aposta de Fernando Santos em vez de Rui Patrício) descansado.

No segundo tempo, Portugal surgiu a jogar mais calmo, ainda que Bruno Fernandes e Bernardo Silva estivessem sempre a “mexer”, com o primeiro a dar bom seguimento de um passe (57’) do segundo, mas sem golo.

Golo (2-0) que surgiu no minuto seguinte, quando Diogo Jota, lançado por Raphael Guerreiro, se esgueirou pela esquerda, mudou de rumo para a baliza, tirou um adversário da frente e rematou cruzado sem hipóteses de defesa.

A perder por duas bolas, a Croácia voltou a tentar acercar-se da baliza de Anthony Lopes mas acabou por ser Portugal (70’) a chegar ao 3-0, com um golo de João Félix (o primeiro ao serviço da selecção), num remate forte e frontal que o guarda-redes croata deixa bater a bola no chão à sua frente, vai depois à mão, mas com a força que levava entrou na baliza.

Em cima dos 90’, a Croácia reduz para 1-3 mas, 90+4’, André Silva fez o 4-1, dando o melhor seguimento, à boca da baliza, a um cabeceamento de Pepe, no seguimento de um canto.

Vitória certa numa partida em que Portugal foi sempre superior e que esta Croácia não é a que se sagrou vice-campeã mundial.

Na outra partida do grupo 3, da série A (grupo com as principais oito equipas europeias), a França foi vencer (1-0) à Suécia, suecos que Portugal vai encontrar na terça-feira, na cidade de Solna.

Para Fernando Santos, seleccionador nacional, “pelo que vi nos treinos, esperava uma boa exibição, embora sabendo que havia a questão física. Os jogadores conhecem-se bem. Portugal fez um bom jogo, embora tenha tido alguns períodos menos bons, mas fez um bom jogo.

Anthony Lopes foi o titular da baliza portuguesa e Fernando Santos diz que não se tratou de algo surpreendente. “A titularidade do Anthony Lopes para mim não foi surpresa nenhuma. Temos de analisar os treinos. O Anthony estava a jogar, o Rui Patrício não joga há três semanas, veio de férias. Não foi surpresa.”

Relativamente a Cristiano Ronaldo, Fernando Santos esclareceu que “o Cristiano (Ronaldo) se estivesse em condições estaria no jogo, nem que fosse para entrar durante o jogo. Sente-se melhor, treinou hoje e deve ir à Suécia. Não tem nenhuma lesão. Tem uma infecção e terá de recuperar dessa infecção”.

 

© 2700 Jogada do Mes. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.