Sábado 21 de Maio de 2022

Portugal perdeu com a Islândia no jogo de estreia no Euro’2022

Andebol-Europeu-2022-14-01-2022No primeiro jogo da primeira fase do Europeu de Andebol que esta sexta-feira se iniciou no MVM Dome, em Budapeste, Portugal perdeu (28-24) com a Islândia, depois de 14-10 no final do primeiro tempo.

Pertenceu a António Areia o primeiro golo de Portugal, que abriu o activo no duelo com a Islândia, tendo Alexandre Cavalcanti assinado o 2-1, através de um remate potente que atingiu os 126 km/h e manteve os Heróis do Mar na liderança do resultado antes de Aron Pálmarsson, a estrela da companhia nórdica, assinar o empate a dois golos, já depois de ter apontado o primeiro golo islandês do jogo, com seis minutos decorridos.

Aos oito minutos, Portugal viu o adversário chegar, pela primeira vez, à dianteira (2-3), através de um livre de 7 metros apontado com sucesso por Ómar Magnússon, mas não deixou que essa contrariedade tivesse um efeito negativo, continuando a mostrar um nível elevado de concentração e solidez nos processos de jogo. A meio da primeira parte, a Islândia alcançou, também de forma inédita, dois golos à maior e cinco minutos mais tarde, Gustavo Capdeville assinou a sua quinta defesa no encontro, que antecedeu o golo do empate de Salvador Salvador, a sete golos. Apesar de um forte equilíbrio, o conjunto nórdico mostrava uma ligeira superioridade, tal como comprova o 7-10 registado aos 22 minutos, com Portugal a não conseguir tirar o melhor partido dos períodos de superioridade numérica.

Andebol-Europeu--2022-14-01-2022Seguiram-se momentos de parada e resposta, nos últimos cinco minutos, período em que se revelou o mais conturbado dos Heróis do Mar, com vários erros cometidos no ataque, que permitiu que o oponente chegasse aos quatro golos de vantagem, no último remate da primeira parte. Todos os jogadores lusos deram o seu contributo no jogo, na etapa inicial, à excepção do guarda-redes Manuel Gaspar.

A segunda parte começou com Portugal em inferioridade numérica e com uma defesa de Gustavo Capdeville, que se afirmou como uma das figuras do lado luso. Os primeiros 10 minutos da etapa complementar foram difíceis para os Heróis do Mar, que não conseguiram encurtar a margem para menos de quatro golos e, em sentido inverso, a Islândia teve argumentos e confiança para voltar a pisar terrenos desconhecidos: seis golos de vantagem, de forma inédita, o que levou Paulo Pereira a pedirem o time-out.

Os ataques perdidos do lado luso devido a faltas técnicas iam prejudicando as ambições neste arranque de Europeu, enquanto o adversário encontrou quase sempre soluções para segurar a margem que, aos 45 minutos, continuava a ser de seis golos (17-23).

À entrada para os últimos 10 minutos, Manuel Gaspar estreou-se na partida e houve também alteração no sistema defensivo português, que passou para um 5×1 móvel, com Gilberto Duarte como homem mais avançado. No entanto, o destino do jogo estava traçado, com Portugal a mostrar sinais de alguma ansiedade e, até ao final, um parcial de 5-3 fechou o jogo, dando a vitória à Islândia.

Portugal iniciou o jogo com uma equipa formada por Gustavo Capdeville, Diogo Branquinho, Alexandre Cavalcanti, Victor Iturriza, António Areia, Fábio Magalhães e Rui Silva. Os jovens – e estreantes – Martim Costa e Daniel Vieira foram os escolhidos para ficar de fora no primeiro jogo.

Paulo Pereira, Seleccionador Nacional, destacou alguma fadiga presente no grupo mas reforça que o caminho é lutar até ao final, sempre, tendo referido ao site da Federação de Andebol de Portugal que “Há uma série de coisas que é preciso trabalhar, ainda por cima de nós estarmos com formato físico diferente do habitual. Não quero entrar em pormenores, mas temos malta que não está fisicamente pronta para um jogo de alta intensidade, neste momento. Esperemos que ao longo da competição nós consigamos melhorar um pouco mais essa competência, esses factores físicos e depois também factores tácticos e estratégicos que lhe estão associados. Se estivermos muito cansados é muito difícil aplicar seja o que for, mas vamos mesmo assim, continuar a trabalhar seriamente como temos feito até aqui. Acho até que temos trabalhado mais agora do que no EHF Euro 2020. Nós temos esta característica: é sempre a lutar. Agora as coisas podem sair melhor ou pior, possível mas vamos continuar a lutar até ao fim”.

Fábio Magalhães, jogador mais internacional da comitiva lusa presente no Europeu, disse que é preciso corrigir o que não correu da forma pretendida e garante concentração total para o segundo jogo com a Hungria, afirmando que ”estes primeiros momentos vão ser de reflexão, de falarmos uns com os outros sobre o que correu bem e o que correu menos bem e vamos ter que conseguir ultrapassar isto. Amanhã é outro dia e já temos outro jogo para preparar. Somos jogadores muito experientes, por isso, tenho certeza que amanhã não esqueceremos, porque temos que lembrar as coisas más para as corrigir, mas já estaremos complemente focados na Hungria.”

O próximo duelo dos Heróis do Mar está agendado para o próximo domingo (16 de Janeiro, pelas 17 horas na RTP2), frente à Hungria, selecção que se estreou no EHF Euro 2022 com uma derrota contra os Países Baixos, por 28-31.

 

© 2022 Jogada do Mes. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.