Sábado 21 de Maio de 2022

Marco no jornalismo de investigação, Andrew Jennings morreu aos 78 anos

AIPS-JornalismoInvestigaçãoAndrewJennings-14-01-2022Uma notícia inserida no site da Associação Internacional de Imprensa Desportiva (AIPS)  deu conta que Andrew Jennings, decano dos jornalistas de investigação e de inspiração para muitas pessoas, faleceu em 8 de Janeiro deste ano.

Após sofrer uma doença breve e repentina, aos 78 anos, Jennings saiu de cena deixando uma marca inconfundível e objectiva de análise sobre a investigação sobre a corrupção no fenómeno desportivo, tendo o seu trabalho sido considerado como revolucionário e crucial para descobrir e revelar a corrupção no desporto mundial.

Por mais de duas décadas, Jennings estabeleceu novos e mais altos padrões para a cobertura jornalística da política desportiva, tornando-se num exemplo para as próximas gerações.

Um verdadeiro lutador – não há melhor termo para descrevê-lo – em todos os desafios que enfrentou ao longo de sua carreira.

De advogados a especialistas da mídia, de líderes desportivos a figurões em geral, ninguém poderia desviar sua atenção de expor o lado obscuro da indústria desportiva, com coragem e profissionalismo louvável.

Nascido na Escócia em 3 de Setembro de 1943, mudou-se ainda criança para Londres, onde passou sua juventude num bairro operário da capital britânica. Ele frequentou a Universidade de Hull e, mais tarde, trabalhou para a equipe do Sunday Times’ Insight no final dos anos de 1960, depois do qual trabalhou para outros jornais britânicos tornando-se um nome para si mesmo.

Depois, decidiu concentrar-se em ser um repórter de investigação no Checkpoint da BBC Radio Four. O primeiro livro, publicado em 1989, intitulava-se “Scotland Yard’s Cocaine Connection” .

No início de sua carreira investigativa, concentrou-se principalmente na corrupção do Comité Olímpico Internacional (COI). Apesar de, nas suas intervenções e pesquisas, ter sido banido por alguns anos dos eventos do COI – em 1992 colaborou na elaboração de seu primeiro livro inovador, ”Os Senhores dos Anéis” - e não se rendeu diante da corrupção que encontrou no sistema.

Com seu próximo trabalho, “Os Novos Senhores dos Anéis” – publicado em 1996 – Jennings mostrou ainda mais práticas corruptas nas federações desportivas internacionais e no COI, cujo programa de reforma foi criticado no seu quarto livro, “A Grande Fraude Olímpica”, publicado em 2000 com Clare Sambrook como co-autora.

Mais tarde, concentrou sua atenção no mundo FIFA. Também começou a trabalhar para a emissora internacional BBC Panorama: seu primeiro documentário, saído em Junho de 2006, publicou um episódio intitulado “The Beautiful Bung: Corruption and the World Cup”.

De 2001 aos anos seguintes, assumiu a linha de frente contra a corrupção do sistema, cooperando com autoridades suíças e internacionais para descobrir a verdade. Em 2006 escreveu o quinto livro, intitulado “FOUL! O Mundo Secreto da FIFA: Subornos, Manipulação de Votos e Escândalos de Ingressos” .

Pelas pesquisas feitas, Jennings foi banido dos eventos da FIFA – como outras vezes aconteceram na sua vida – envolvendo-se com múltiplas ameaças legais da FIFA, nos anos em que o seu trabalho contribuiu dramaticamente para o afastamento de Sepp Blatter, interrompendo o seu mandato que estava em andamento há quase 17 anos.

O quinto livro, “ Omertà: Sepp Blatter’s FIFA Organized Crime Family”, contribuiu dramaticamente para o processo.

Após a aposentadoria do ex-presidente da FIFA, Jennings resumiu 15 anos de pesquisas no seu quinto e último programa da BBC Panorama, “FIFA, Sepp Blatter and Me”. No mesmo ano, publicou o sexto e último livro, “The Dirty Game: Uncovering the Scandal at FIFA”.

Um investigador que, por certo, Emanuel de Medeiros, CEO da SIGA – organismo criado há meia dúzia de anos para a luta contra a corrupção no desporto e pela integridade do desporto – gostaria de ter como colaborador, face à experiência ganha nesta área.

 

© 2022 Jogada do Mes. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.