Sábado 28 de Janeiro de 2023

Neozelandês Robertson surpreendeu tudo e todos

19mar_2019_newEDP Meia Maratona de Lisboa

Em dia de estreia em Portugal e na própria distância (21.097 metros), o neozelandês Jake Thomas Robertson “derreteu” a concorrência (especialmente africana) na Meia Maratona de Lisboa, que venceu com um dos melhores tempos (1.00.01) obtidos na capital, deixando o segundo – James Mwangi, Quénia – a dez segundos.

Sem ser surpresa, Jéssica Augusto e Samuel Barata, foram os melhores portugueses, salientando que na prova masculina Portugal colocou três homens entre os dez primeiros, o que poderia pronunciar um bom augúrio para o fundo português, não fosse o caso de os mais jovens estarem a apostar apenas nesta especialidade, como que “fugindo” dos 5.000 e 10,000 metros, onde Portugal já esteve nos pódios europeus, mundiais e olímpicos.

Numa prova empolgante desde o início, sempre com um grupo de seis africanos a liderar – sendo Robertson o 7º – foi a primeira vez, nas últimas 19 edições (27 completadas desde 1991), que um cidadão de raça branca conseguiu venceu, tendo o anterior sido António Pinto, em 1998.

Nunca se deixando “atormentar” com a “escuridão” que o rodeava, Jake soube aproveitar as boas condições climatéricas, gerir o esforço desenvolvido ao longo do percurso e surpreendendo tudo e todos com um vigoro sprint na recta final, a reconfirmar a vantagem que tinha alcançado a partir do último quilómetro.

Como se referiu, Samuel Barata teve ainda oportunidade de, após os compromissos com o seu clube (Benfica), chegar a esta prova “com algum cansaço, mas sempre com o objectivo de fazer o melhor” – como confidenciou no final, tendo batido o seu recorde pessoal por cerca de um minuto, fixando-o em 1.03.53, um tempo interessante para um jovem de 24 anos.

Jéssica, por seu lado, cumpriu com o que foi planeado – antes de mais numa Maratona, em Hamburgo, no próximo mês de Abril – queixando-se de não ter “conseguido que as outras atletas (três quenianas e três etíopes, que ficaram à sua frente) cooperassem no ritmo da corrida, motivo pelo qual como que fui obrigada a andar na frente, para cumprir o que pretendia para esta prova” referindo quinda que “estou satisfeita e isso é bom para mim”.

Claro que nos três últimos quilómetros as africanas aceleraram o ritmo e foram-se embora, ainda que Jéssica manteve o mesmo para terminar a pouco mais de um minuto do recorde pessoal (1.09.08).

Na prova em cadeira de rodas, onde as classificações se podem considerar dentro do previsto, saliente-se a queda de mais dois recordes.

Um por parte do português Hélder Mestre – que melhorou o recorde mundial da classe T51, com o tempo de 1.08.21 e o outro, o recorde desta competição, na categoria de T54, com 43.19 por parte do espanhol Jordi Madera, que venceu apenas por um segundo os britânicos Richard Chiassaro e Simon Lawson.

Madera que há quatro meses estava hospitalizado para uma intervenção cirúrgica a um ombro e que chegou a Lisboa com vontade inquebrantável de vencer a prova. Melhor ainda quando fez o melhor tempo.

Nesta 27ª edição, mais de 30.000 almas estiveram festa ao passarem pela Ponte 25 de Abril – muitos delas em estreia – no que foi mais um desafio ganho por Carlos Móia e seus pares.

Classificações:

Masculinos

1.Jake Robertson (N. Zelândia), 1.00.01; 2. James Mwangi (Quénia), 1.00.11); 3. Edwin Koech (Quénia), 1.00.45; 4. Tadu Deme (Etiópia), 1.00.46; 5. Nguse Amloson (Eritreia), 1.03.52; 6. Samuel Barata (Benfica), 1.03.52; … 9. Hélder Santos (Sporting), 1.05.00 (recorde pessoal); 10. Bruno Paixão (Beja AC), 1.05.09 (recorde pessoal); 13. Nuno Lopes (CA Seia), 1.05.28; 14. Rui Teixeira (Sporting), 1.05.31; 15. Nuno Costa (Maia), 1.05.34.

Femininos

1.Mare Dibana (Etiópia), 1.09.43; 2. Vivian Cheruiyot (Quénia), 1.09.44; 3. Mary Wacera (Quénia), 1.09.53; 4. Afera Berha (Etiópia), 1.09.55; 5. Ruti Aga (Etiópia), 1.10.02; 6. Ababel Yeshaneah (Etiópia), 1.10.13; 7. Jéssica Augusto (Sporting), 1.10.38; … 11. Sara Moreira (Sporting), 1.12.07; 12. Carla Salomé Rocha (Ind), 1.13.01; 13. Inês Monteiro (CA Seia), 1.13.04; 14. Catarina Ribeiro (Ind), 1.13.07 (recorde pessoal).

Nas Cadeira de Rodas, os vencedores foram Jordi Madera (Espanha), no T54, com 43.19, recorde pessoal do atleta e recorde da competição; Hélder Mestre (Portugal), no T51, com 1.08.21, que é recorde mundial; Thomas Geirespichler (Áustria), no T52, com 54.33, enquanto no feminino as campeãs foram Manuela Schar (Suiça), com 50.38, em T54 e Melissa Nicholls (G. Bretanha), em T34, com 55.22.

© 2023 Jogada do Mes. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.